Marta Rodrigues lembra papel das mulheres no 2 de Julho

 Marta Rodrigues lembra papel das mulheres no 2 de Julho

A vereadora Marta Rodrigues (PT) destacou a importância do papel das mulheres na Independência do Brasil na Bahia, no 2 de Julho. A parlamentar disse ainda que as mulheres são hoje peças-chave para o fortalecimento da democracia e a retomada da luta por direitos e justiça social no país.

“A nossa independência foi conquistada com a luta e o suor de muitas mulheres, donas de casa, quituteiras, trabalhadoras que se uniram de diversas formas e estratégias, entre elas, guerreiras como Maria Quitéria, Joana Angélica, Maria Felipa e a Cabocla. Hoje, constituímos maioria populacional no país, somos a maioria do eleitorado, e fomos responsáveis pela grande oposição ao desgoverno de Bolsonaro, desde seu início. As mulheres no processo democrático deste país sempre foram fundamentais e precisamos reforçar isto”, declarou.

A parlamentar ressaltou que a representatividade feminina na política e nos espaços de poder é essencial para que o Brasil alcance a equidade de gênero e a tão almejada justiça social. “Pesquisas já mostraram que nós mulheres fomos uma pequena minoria na adesão às pautas de extrema-direita, ao discurso de ódio e antidemocrático do governo federal, como fechamento do STF, intervenção militar, auditoria nas urnas eletrônicas, dentre outros. É preciso que se dê voz às mulheres e que ocupemos os espaços, agora, nessa retomada do desenvolvimento social no país”, considerou.

Marta Rodrigues disse ainda que destacar o papel das heroínas do 2 de Julho significa respeitar a ancestralidade feminina baiana, principalmente as mulheres negras e indígenas. “Que estas mulheres nos sirvam de exemplo e de espelho nesse ano, e em todos que virão, para voltar a reconstruir o Brasil com pautas justas, de equidade, antirracista, antimachista e antimisógina”, pontuou.

A vereadora foi autora de um projeto na Câmara que nomeia a ponte Salvador-Itaparica de Maria Felipa, uma reivindicação apresentada pela Coordenação Nacional de Entidades Negras (Conen).

“Representatividade importa, nos move e nos incentiva. Não podemos deixar que o racismo e o machismo apaguem nossa história e nossa participação em diversas lutas fundamentais para o fim da colonização, da escravidão e pela conquista da equidade”, concluiu.

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.