M.de Deus: Prefeito “desfaz” da própria palavra e utiliza partido para anunciar seu desejo de reeleição com apoio de ex-desafetos

O Partido Trabalhista Brasileiro (PTB) em Madre de Deus decidiu surfar na onda da máquina administrativa estimulado por estratégias oriundas da capital baiana. O anúncio da pré candidatura do atual prefeito Jailton Santana não causou surpresa na cena política local.

Apesar de um dia atípico para apresentar assunto que merece repercussão, o partido preferiu trazer à tona e não perder o timming proposto pelos conselhos dos principais interessados na permanência de Jailton (ou de qualquer outro que se eleja). Empresários “de fora” com negócios na cidade e políticos recentemente expurgados pela Justiça ou pela opinião popular ainda utilizam suas influências para levar o prefeito a uma aventura que poderá sepultar sua carreira política.

Um político com mandato e expressão não teria a condição de postulante na eleição se não fosse por sua vontade. A decisão dita da legenda não seria imposta ao prefeito se ele mantivesse sua palavra em relação ao projeto coletivo apresentado por Dailton Filho (PSB).

Diante da derrocada da pré candidatura de Nita (PP), o grupo de Jeferson Andrade aproximou-se do ego do prefeito e tenta retornar ao poder no Executivo municipal. As figuras rejeitadas pela população devem manter-se ocultas para não prejudicar a imagem de Jailton e nos bastidores trabalharão pela sua eleição com o compromisso do abrigo. A Justiça expulsa os usurpadores do erário público e eles manipulam o cenário para tentar voltar a partir de quem consideravam inexistente até pouco tempo.

O marketing que ajudou a alavancar a figura do gestor na mídia nos últimos dias é a principal armadilha montada para fixá-lo na ideia de que sua eleição é fava contada. Não sabe o petebista que o histórico do estrategista é recitar o canto da sereia nos ouvidos de quem assina a fatura assim como fez com seu antecessor.

Como homem de bom senso, o prefeito Jailton Santana deverá conduzir seu partido ao entendimento de que o anúncio – apesar de legítimo – foi precipitado e unilateral e sem sua autorização, ao menos que tenha sido com sua vontade e assim o seu dirigente partidário seguiu essa orientação projetando a disputa em 15 de novembro.

Leia a anterior

Madre de Deus: vereadores, suplentes e partidos declaram independência e reforçam forças aliadas ao Beija Flor

Leia a próxima

Vera Cruz: Ane Sales pode sair candidata a prefeita e causar reviravolta no cenário político

Deo seu recado

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *