Governo do Estado afirma que gerou mais de dois mil empregos em Simões Filho nos últimos anos

A perspectiva de crescimento econômico da Região Metropolitana de Salvador (RMS), até 2023, é animadora. Se nos últimos quatro anos foram investidos R$ 4,2 bilhões na implantação de 64 empresas, com saldo de sete mil empregos gerados, nos próximos quatro anos os investimentos deverão dobrar. Balanço recente da Secretaria de Desenvolvimento Econômico (SDE) aponta que 115 novas empresas devem se implantar, com R$ 10 bilhões em investimentos e possibilidade de gerar 15 mil novos postos de trabalho.

“Ao longo destes últimos anos, o governo procurou debelar a crise econômica com políticas eficazes de atração de investimentos, somado este esforço ao equilíbrio das contas públicas. Daqui para frente é só botar essa locomotiva das potencialidades econômicas para andar e alcançar outras grandes regiões da Bahia”, afirmou João Leão, vice-governador e secretário de Desenvolvimento Econômico.

Os novos empreendimentos instalados em Camaçari, Candeias, Dias D´Ávila e Simões Filho, a exemplo da empresa Basf, geraram impactos expressivos na região, principalmente, no número de empregos. “Atualmente, o Complexo Acrílico em Camaçari conta com cerca de 500 colaboradores, diretos e indiretos, e grande parte da mão de obra da operação do Complexo foi admitida por meio de parceria com o SENAI, que também realizou a capacitação”, explicou a diretora Industrial da Basf, Tânia Oberding.

De acordo com os protocolos de intenções assinados com o Governo do Estado, os setores químico e petroquímico, eletricidade e gás, comércio e serviços, plásticos e borrachas serão os de maior destaque na geração de emprego na região metropolitana.

Destaques da RMS – Só em Camaçari foram implantadas 27 empresas, de 2015 para cá, que juntas injetaram R$ 2,5 bilhões na economia baiana e geraram quatro mil postos de trabalho – a exemplo da Bridgestone, Boulevard Shopping Camaçari e Braskem. Recentemente, foi inaugurado no município o novo Centro de Distribuição do Atakarejo, responsável pela criação de 500 postos de trabalho, cujo investimento foi de R$ 20 milhões.

Ainda na cidade do Polo Petroquímico, a Flopam do Brasil Indústria Química investirá mais R$ 260 milhões na sua unidade e pretende gerar 163 empregos diretos, ainda neste semestre. Até 2023 serão mais 20 empreendimentos implantados, com perspectiva de empregar 3,6 mil pessoas.

Simões Filho vem logo na sequência, com a implantação de 22 empresas, que movimentaram R$ 450 milhões nos últimos anos e geraram 2,3 mil empregos. A Coca Cola, por exemplo, criou 600 postos de trabalho, com investimentos de R$ 100 milhões. Já a Bomix Embalagens empregou 544 trabalhadores, com R$ 22 milhões investidos. A perspectiva é de 20 novas empresas implantadas no município, nos próximos anos, que trarão R$ 537 milhões em investimentos e ofertarão 2,4 mil vagas. Dentre as empresas atraídas pelo Governo da Bahia está a Aratu Log Armazenagem, que deve criar 430 empregos diretos.

Leia a anterior

Oportunidade: Edital de publicização do artesanato baiano tem prazo prorrogado

Leia a próxima

Carnaval 2019: Via Metropolitana agiliza viagem entre a capital e o Litoral Norte

Deo seu recado

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *